Mato Grosso,

domingo, 16

de

junho

de

2024
No menu items!


 

InícioDestaquesSaiba como agiam agentes públicos e faccionados investigados por lavagem de dinheiro...

Saiba como agiam agentes públicos e faccionados investigados por lavagem de dinheiro em casas noturnas

J1

A Justiça de Mato Grosso comprovou que agentes públicos da capital ajudavam na concessão de licenças e alvarás, durante a realização dos eventos, para receber dinheiro de integrantes da facção criminosa, responsável pela promoção dos shows. O grupo foi alvo da Operação Ragnatela, deflagrada na quarta-feira (5). Os investigados movimentaram mais de R$ 79,1 milhões, entre 2018 e 2022.

De acordo com a decisão, os responsáveis por facilitar as licenças dos locais eram:

  • Paulo Henrique de Figueiredo Masson – vereador
  • Benedito Alfredo Granja Fontes – o secretário adjunto da Secretaria Municipal de Ordem Pública e Defesa Civil de Cuiabá (Sorp), morreu no início do ano vítima de câncer
  • Rodrigo Anderson de Arruda Rosa – agente de regulação e fiscalização da Sorp

Nas investigações, o esquema criminoso foi ilustrado através de um organograma – gráfico que mostra a estrutura interna de uma organização – que explicava como a movimentação ilegal de dinheiro funcionava.

De acordo com o gráfico, Joadir Alves Gonçalves, líder da organização criminosa, passava dinheiro em espécie para Willian Aparecido da Costa, que repassava para o assessor Rodrigo de Souza Leal, responsável por realizar a contratação dos cantores nacionais.

Nessa quarta-feira (5), foram cumpridos oito mandados de prisão e 36 de busca e apreensão, além do bloqueio de bens e contas bancárias, suspensão de atividades públicas e comerciais de pessoas e empresas ligadas à organização criminosa.

Os investigados são apontados como membros de uma rede criminosa envolvida em corrupção, lavagem de dinheiro e tráfico de drogas. De acordo com a Justiça, o grupo utilizava estabelecimentos comerciais, como casas noturnas e eventos, para lavar o dinheiro adquirido ilicitamente.

Entre as empresas envolvidas no esquema estão:

  • Dom Carmindo Lava Jato e Conveniência;
  • Expresso Lava Car;
  • Restaurante e Peixaria Mangueira Ltda;
  • Dallas Bar Eireli;
  • Strick Pub Bistro e Restaurante Ltda.

O esquema

O organograma ainda mostrou que o dinheiro, oriundo do tráfico, era passado por Rodrigo até a casa noturna Dallas e o Expresso Lava Car, por meio de transferências bancárias. Já o lucro obtido com os shows e eventos era repassado para Kamilla Beretta, que realizava depósitos fracionados para as outras empresas e demais suspeitos de envolvimento na organização.

Cinco casas de shows de Cuiabá tiveram mandados decretados de sequestro de bens móveis e imóveis dos investigados, além do bloqueio de ativos financeiros até o valor de R$ 5 milhões por conta bancária. As atividades comerciais dessas empresas também foram suspensas.

Além das prisões e bloqueios, a Justiça determinou a suspensão do exercício de funções públicas de dois agentes públicos sem prejuízo da remuneração, são eles:

  • Luiz Otávio Natalino, policial penal do Estado de Mato Grosso
  • Rodrigo Anderson de Arruda Rosa, agente de regulação e fiscalização da Secretaria Municipal de Ordem Pública e Defesa Civil de Cuiabá/MT (SORP)

O Ministério Público de Mato Grosso (MPMT) também pediu pelo afastamento de um servidor da Fundação Nova Chance (FUNAC), no entanto, o pedido não foi acolhido e o servidor não foi alvo da operação. O servidor Luiz Otávio Natalino já foi afastado das funções.

Ainda segundo a Justiça o grupo utilizava depósitos fracionados – técnica usada para evitar a detecção de grandes somas de dinheiro – e empresas de fachada para evitar a identificação das transações ilegais.

O que dizem os envolvidos

O vereador, investigado por suposta influência na liberação de eventos em casas noturnas, negou a participação no esquema. “Recordo que as casas de shows citadas tiveram diversas fiscalizações e foram inclusive autuadas. É importante destacar que a liberação de eventos pode ser devidamente autorizada pela Justiça, com base na documentação apresentada. Estou à disposição com muita tranquilidade para contribuir com as investigações e justiça”, diz.

Em nota, a Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesp-MT) disse que servidores respondem a Procedimento Administrativo Disciplinar (PAD) e não ocupam cargos comissionados. A pasta ressaltou que já exonerou três servidores investigados que tinham cargos comissionados e que aguarda informações do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) para definir a adoção imediata de outras medidas administrativas.

O g1 tenta contato com os demais investigados e com os responsáveis pelas empresas.

Com a decretação das prisões preventivas e outras medidas cautelares, a Justiça informou que busca interromper as atividades ilícitas e assegurar a aplicação da lei penal. As investigações continuarão para aprofundar o entendimento do funcionamento e extensão da organização criminosa.

O trabalho foi realizado pela Força Integrada de Combate ao Crime Organizado de Mato Grosso (FICCO), composta pela Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Polícia Civil e Polícia Militar, com apoio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e do Cento Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer).

Entenda o caso

Mais de 40 mandados de prisão e busca foram cumpridos durante a operação Ragnatela, contra suspeitos de integrar a maior facção criminosa de Mato Grosso, responsável por promover shows nacionais e lavar dinheiro em casas noturnas de Cuiabá.

Receba as informações do ATUALMT através do WhatsApp:
Clique aqui para receber as notícias no seu WhatsApp.

Segundo a Polícia Federal, foram cumpridos oito mandados de prisão e 36 de busca e apreensão, em Mato Grosso e no Rio de Janeiro, além do sequestro de imóveis e veículos, bloqueio de contas bancárias, afastamento de servidores de cargos públicos e suspensão de atividades comerciais.

As investigações identificaram que os criminosos participavam da gestão das casas noturnas e, com isso, o grupo passou a realizar shows de cantores nacionalmente conhecidos, custeados pela facção criminosa em conjunto com um grupo de promoters.

Últimas notícias