Mato Grosso,

sexta-feira, 19

de

agosto

de

2022
No menu items!


 

InícioDestaquesChefe do MP assina carta que cita risco de ruptura à ordem...

Chefe do MP assina carta que cita risco de ruptura à ordem constitucional

Gazeta Digital

Procurador-geral de Justiça de Mato Grosso, José Antônio Borges, assinou a carta “Estado de Direito Sempre!” que, dentre outros pontos, cobra atenção sobre o processo eleitoral deste ano e cita risco de uma possível ruptura à ordem constitucional.

O manifesto, que conta com divulgação nas redes sociais, foi feito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo após as ataques do presidente Jair Bolsonaro (PL) às urnas eletrônicas.

O documento conta, até a publicação da matéria, com mais de 760 mil assinaturas, se mostrando um documento colaborativo que tem a participação de jornalistas, artistas, políticos, economistas, magistrados, líderes religiosos e representantes de outros segmentos.

Na terça-feira (2), o presidente se manifestou sobre a carta e afirmou que as pessoas que assinam o documento são “cara de pau” e “sem caráter”. Segundo o chefe do Palácio do Planalto, a manifestação é encabeçada por pessoas que discordam das ações de sua gestão.

A carta

Ao longo de 15 parágrafos, a carta apontou, dentre outros pontos, que há um risco atual às instituições da Repúblicas, sobretudo por conta de insinuações e desacatos que são feitos mirando o resultado das eleições.

“Ataques infundados e desacompanhados de provas questionam a lisura do processo eleitoral e o estado democrático de direito tão duramente conquistado pela sociedade brasileira. São intoleráveis as ameaças aos demais poderes e setores da sociedade civil e a incitação à violência e à ruptura da ordem constitucional”, narra trecho do documento.

Receba as informações do ATUALMT através do WhatsApp:
Clique aqui para receber as notícias no seu WhatsApp.

“Nossa consciência cívica é muito maior do que imaginam os adversários da democracia. Sabemos deixar ao lado divergências menores em prol de algo muito maior, a defesa da ordem democrática”, acrescenta o documento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias